Sexta etapa da temporada, GP de Mônaco mistura charme, glamour em um desafio nas ruas apertadas do principado

Talvez para muitos, chegou aquele final de semana mais aguardado da temporada. Onde a velocidade se mistura ao glamour e charme de um visual único, se comparado com ao de outras etapas da temporada ao longo do ano. É dessa forma que equipes e pilotos chegam neste final de semana para sexta etapa da temporada, no Grande Premio de Mônaco, corrida tradicional dentro do calendário da Fórmula 1.

Rosberg tentará quinta vitoria no ano

Após abandonar o GP da Espanha, duas semanas atrás, após se envolver em um acidente com seu companheiro de equipe, Lewis Hamilton, Nico Rosberg chega a Montecarlo com o objetivo de ampliar a sua vantagem sobre seu maior rival na luta pelo titulo da temporada. Querendo ficar longe das confusões que cercam não somente a rivalidade entre os companheiros de equipe, mas as confusões que também cercam a corrida nem sempre tranqüila nas ruas de Mônaco, Rosberg quer terminar o final de semana cada vez mais consolidado na briga pelo campeonato. Para isto acontecer, o alemão da Mercedes terá de ser consistente ao longo dos treinos no final de semana, nada de muito diferente do que tem feito até o momento na temporada.

Hamilton sonha com primeira vitoria no ano e reação no campeonato

Em uma temporada até aqui muito longe daquilo que se espera de um piloto com o calibre de Lewis Hamilton, o atual campeão tem feito um 2016 até o momento para esquecer. Com 47 pontos atrás de Nico Rosberg, Hamilton sabe que precisa de uma reação imediata, se quiser lutar pelo tetracampeonato neste ano, onde uma vitoria para Hamilton em Mônaco, poderia reacender o britânico na temporada, para quem sabe começar uma reação no campeonato, que até o momento é totalmente dominado por Rosberg.

Brasileiros tentam melhorar desempenho

Em uma temporada discreta dos pilotos brasileiros até aqui, os dois Felipe chegam a Mônaco com o mesmo objetivo, que é melhorar o desempenho na temporada, que até aqui é repleta de dificuldades. Para Felipe Massa, o final de semana servirá para tentar andar perto do pelotão da frente dos carros. Em um circuito travado, onde a força do motor Mercedes não deve ser o fator preponderante ao longo do final de semana, a Williams terá de adaptar um conjunto aerodinâmico que lhe favoreça, fator que é reconhecidamente um ponto fraco da Williams. Massa que em seu retrospecto tem dois terceiros lugares como a melhor posição já obtida no principado na sua carreira, fato que aconteceu nas temporadas de 2007 e 2008. Felipe Nasr por sua vez, terá em Mônaco a oportunidade de fazer um final de semana fora do habitual ate o momento. Fora do habitual no sentido de que em Montecarlo, onde a força do motor não é fator preponderante, a Sauber poderá utilizar da estratégia que lhe rendeu bons pontos na temporada, que é de aproveitar as oportunidades ao longo das corridas, algo que pode acontecer dado a imprevisibilidade que as corridas em Mônaco por vezes pode reservar. Nasr que na sua temporada de estréia, no ano passado, terminou a corrida no principado na nona posição, chegando à zona de pontuação, fato que com sorte pode acontecer neste domingo.

Renault e Red Bull terão motores atualizados neste final de semana

Tentando melhorar a performance na temporada, a Renault terá neste final de semana uma atualização nos motores de seus carros. Fato que não só beneficiará ao carros da equipe de fabrica da Renault, mas também chegará aos carros da Red Bull que também faz uso dos motores da escuderia francesa. Após considerar as sessões de testes em Barcelona bem sucedidas, a Renault optou por antecipar o uso dos novos motores, que a principio só estariam a disposição no Grande Premio do Canadá. Ainda assim, apenas um carro de cada escuderia utilizará os novos motores, ficando um motor novo no carro da Renault no carro de Kevin Magnussen, e um motor novo na Red Bull de Daniel Ricciardo, deixando a versão antiga do motor Renault no carro de Max Verstappen.

Max Verstappen chega a Mônaco com ‘status’ de nova estrela da F1

Após a vitória épica no GP da Espanha há duas semanas, Max Verstappen chega a Montecarlo com os holofotes da Fórmula 1 voltados para as suas performances a partir de agora. Tudo porque o jovem, que é tido dentro do paddock como um futuro campeão na categoria, agora terá de saber lidar com as expectativas que certamente irão rodear o jovem holandês após a sua primeira vitoria na categoria. E se depender do garoto promissor a pressão que certamente sofrerá por novas vitorias, dificilmente o afetará, uma vez que teve de segurar Kimi Raikkonen por mais de 25 voltas para conquistar a sua primeira vitoria, saberá tirar de letra a pressão normal que é ser piloto na maior categoria do automobilismo mundial.

Após perder boa oportunidade de vencer na Espanha, Ferrari quer surpreender em Mônaco

Sabedora de que perdeu uma boa oportunidade de vencer na temporada em Barcelona, a Ferrari quer aproveitar o traçado monegasco, onde a força do motor Mercedes não deve ser o fator preponderante na diferença de performance entre as duas equipes, para tentar surpreender a Mercedes neste final de semana. Após deixar a Espanha com Kimi Raikkonen na vice-liderança do campeonato, beneficiado pelo acidente entre os dois carros da Mercedes, a Ferrari começa a colocar as ‘mangas de fora’ para quem sabe, torcendo por mais incidentes entre os pilotos da Mercedes, entrar na briga pelo titulo com um de seus dois pilotos, que a julgar pela posição no campeonato, por enquanto o piloto é Kimi Raikkonen.

Grande Premio de Mônaco acontece no quintal de casa de muitos pilotos do grid

Por se tratar de um local onde há muitas residências, prédios, resorts e hotéis, Mônaco também é o lugar onde boa parte dos pilotos do grid residem, como é o caso de Felipe Massa, Nico Rosberg, Daniel Ricciardo entre outros. Para a maioria dos pilotos correm em Mônaco é como se fosse correr no quintal de casa, onde a maioria deles deve aproveitar para passar o final de semana com suas famílias, algo que ao longo de uma temporada desgastante, e extensa como esta de 2016, que é a temporada mais longa da historia da Fórmula 1, com 21 corridas no total, algo cada vez mais raro para os pilotos.

Mônaco ao longo de sua historia dentro da Fórmula 1 reserva historias incríveis

Por se tratar de um lugar com cenário único dentro da Fórmula 1, bem diferente de outros circuitos por onde a Fórmula 1 passa ao longo do ano, Mônaco é aquela corrida que muitos pilotos confessam não gostar de guiar nas ruas apertadas do principado, mas ao mesmo tempo se perguntar para qualquer um deles, todos são unânimes em dizer que sonhariam em vencer nas ruas históricas do circuito monegasco. E ao longo dos mais de 60 anos de corridas em Montecarlo, muitas historias foram escritas pelos pilotos que por lá já guiaram, e que se não venceram no principado, marcaram seu nome nas ruas de Mônaco por algum motivo.  Dito isso, a seguir vamos relembrar algumas dessas historias, que fazem de Mônaco uma corrida única dentro do calendário da Fórmula 1.

Em 1982, ninguém parecia que queria vencer a corrida

Em um dos finais mais ‘loucos’ da história da Fórmula 1, o GP de Mônaco de 1982, reservou um dos finais de corrida mais improváveis da historia da categoria. Em uma corrida dominada por Alain Prost desde a 15ª volta da corrida, tudo levava a crer que o então jovem francês levaria tranquilamente a corrida até o final, vencendo a corrida na sua ‘casa’. Mas a três voltas do final, uma chuva embaralharia todo o cenário da corrida, fazendo do final da prova uma verdadeira ‘loteria’. Quando na metade da volta, Prost bate no muro e tem de abandonar aquela que seria mais uma vitoria fácil do francês, deixando a primeira posição de presente para Ricardo Patrese, que guiava pela Brabham. Mas dando mostras de que o imponderável estava presente naquele dia e Mônaco, faltando duas voltas para o final, foi a vez de Patrese ‘beijar’ o muro, deixando a liderança da corrida de bandeja para Didier Pironi com a Ferrari. Mas a liderança de Pironi duraria alguns segundos, pois o francês, com problemas elétricos também abandonou a prova, antes de abrir a ultima volta. Com isso, Andrea de Cesaris, assumiria a liderança da prova, abrindo a ultima volta, mas acabou sendo traído pela falta de combustível da sua Alfa Romeo, tendo de abandonar a prova, tão logo que iniciara a ultima volta da corrida. A essa altura, Derek Daly que duas voltas atrás estava na quarta posição, assumiria a liderança da corrida, mas problemas no cambio e já sem a asa traseira de seu carro, também abandona na ultima volta. A partir disso, em um cenário caótico, e sem saber quem venceria a corrida, o destino resolveu dar uma segunda chance a Ricardo Patrese, que mesmo após bater no muro, conseguiu retornar a pista, e vencer o GP de Mônaco daquele ano. Patrese, que só foi comemorar aquela que seria a sua primeira vitoria na Fórmula 1, após descer do carro quando foi informado de que ele Patrese era o vencedor da corrida.

patrese_monaco82

Em 1984 Mônaco viu o surgimento daquele que é considerado até hoje o melhor piloto de todos os tempos

O ano era 1984 e a Fórmula 1, tinha o domínio dos carros da McLaren, com a forte dupla de pilotos Alain Prost e Niki Lauda. Em mais uma corrida tumultuada e debaixo de chuva, Alain Prost fez valer a sua condição de pole position e disparou na liderança da prova, seguido da Lotus de Nigel Mansell e a Ferrari de Rene Arnoux. Com uma intensa variação de posição e somado aos inúmeros acidentes por conta da pista molhada, um jovem brasileiro, estreante naquela temporada, deu seu show particular. Largando na 19ª posição, Ayrton Senna em uma pilotagem ousada, realizou diversas ultrapassagens, destaque para uma bela ultrapassagem sobre Niki Lauda, veio galgando as posições. Na 31ª volta, por conta da chuva, a corrida foi interrompida sob a alegação de que seria um risco para os pilotos. Senna terminou a corrida na segunda posição, estava a 7s de Prost, e para muitos até hoje se a corrida tivesse seguido, Ayrton certamente passaria Prost, naquela que poderia ser uma vitoria épica de Senna. Mesmo assim, a corrida marcou o primeiro pódio na carreira daquele que anos mais tarde seria considerado o ‘Rei de Mônaco’.

Em 1992, a vitoria inesperada de Senna

O ano era 1992, e Ayrton Senna já tricampeão do mundo lutava contra superioridade das Williams de Nigel Mansell e Ricardo Patrese. Em uma corrida amplamente dominada por Mansell, Senna sabia que só teria chances de vencer, caso acontecesse algum problema com os carros da Williams, foi então que faltando seis voltas para o final, uma perda de pressão em um dos pneus do carro de Mansell, obrigou o piloto britânico a entrar nos boxes para fazer a troca dos pneus. Em um pit stop atrapalhado, a Williams, perde a primeira posição da corrida, e deixa a vitoria no colo de Senna, que vinha cerca de 20s atrás de Mansell. Ao retornar a pista, o que se viu foi uma intensa caçada de Mansell, que nas três ultimas voltas tentara de todas as formas e sem sucesso, ultrapassar Senna, que na ocasião comemorou a sua quinta vitoria no principado. Em 1993, Senna repetiria o feito em Mônaco, na corrida que finalmente o consagrava como maior vencedor na historia do principado. Com seis vitorias em Mônaco, esse é um dos recordes do brasileiro tricampeão do mundo que ele, passados 22 anos de sua morte, mantém até hoje.

Em 1996, outro vencedor improvável

Um cenário muito parecido com 1982, se repetiu em 1996 nas ruas de Mônaco. Largando na 14ª posição e guindo pela equipe Ligier, Olivier Panis, escreveu outra pagina bonita na historia da Fórmula 1. Em uma corrida marcada por diversos abandonos, e por alguns fatos inusitados, como David Coulthard correndo com o capacete de Michael Schumacher, Panis se aproveitou dos diversos abandonos em uma corrida onde apenas quatro carros terminaram a prova, para marcar aquela que seria a sua única vitoria na carreira, e a ultima vitoria francesa na Fórmula 1. Ao cruzar a linha de chegada, Panis carregou uma bela bandeira francesa na volta de retorno aos boxes, enquanto comemorava a sua vitória. Curiosamente, ao final daquela temporada, a equipe Ligier foi vendida.

No grid atual, Nico Rosberg é quem ‘manda’ em Mônaco

Vencedor das ultimas três edições do Grande Premio de Mônaco, Nico Rosberg é o piloto que tem dominado a cena em Montecarlo nos últimos anos. Junto com Rosberg, apenas Alain Prost, Ayrton Senna e Graham Hill, conseguiram o feito de vencer no principado por três vezes seguidas. O maior recorde de vitorias em sequencia no principado é de Senna, que venceu todas as edições entre os anos de 1989 a 1993, antes disso, Senna ainda venceu em 1987.

Corrida será no horário habitual para os brasileiros, mas os trabalhos começam nesta quinta

Por se tratar de uma cidade, onde as ruas apertadas por vezes causam um ‘nó’ no transito, Mônaco tem uma peculiaridade de começar seus trabalhos na quinta-feira, com a finalidade de não atrapalhar o transito na cidade em uma sexta-feira, o que é muito comum em diversas cidades do mundo. Sendo assim, a partir das 5h da manhã desta quinta, equipes e pilotos começam os trabalhos para sexta etapa da temporada. O treino classificatório acontece no sábado, e as 78 voltas nos 3.340km do circuito de Montecarlo, está marcada para as 9h pelo horário de Brasília.

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *