GP da Rússia – Considerações finais

Encerrada a quarta etapa do mundial de Fórmula 1, equipes e pilotos já voltam as suas atenções para o próximo desafio da temporada que acontece no Grande Premio da Espanha, no circuito de Barcelona. Palco tradicional da Fórmula 1 atual, é no traçado catalão que acontecem os testes de pré-temporada por exemplo, sendo o circuito da Catalunha a pista de maior conhecimento para a maioria das equipes do grid atual, o que pode impactar em um equilíbrio interessante na próxima etapa da temporada. Mas antes disso, o Grande Premio da Rússia, que aconteceu no ultimo domingo, já apontou alguns rumos, ainda que não definitivos para o restante da temporada. Na sequencia, o ‘Volta Final’ vai apontar alguns deles, que podem acontecer ou não para o restante da temporada.

Inicio de temporada arrasador de Rosberg pode dar o tão sonhado titulo mundial

Que ainda é cedo para dizer se Rosberg será ou não campeão do mundo ao final da temporada, isso é fato. Seria muito imprudente dizer que Nico será o campeão do mundo, apesar da fase esplendorosa que o alemão vive. Vencedor das ultimas sete corridas disputadas na Fórmula 1, a contar as ultimas três corridas de 2015, para Nico a temporada deste ano, apenas deu sequencia a sua boa fase. Além disso, Rosberg começou 2016 altamente focado em ganhar o seu primeiro mundial, aquele piloto tido muitas vezes como fraco psicologicamente, e que tinha tendência a sucumbir a pressão em momentos decisivos, até agora não se fez presente na temporada atual. Preciso, sem cometer erros e com uma pitada de sorte, algo que não parecia acompanhar o alemão nas duas ultimas temporadas, quando Hamilton por vezes sobrava perante o Nico.

Hamilton precisa de resposta rápida para não deixar Rosberg disparar no campeonato

O tricampeonato mundial para Lewis Hamilton alem de colocar o britânico ao lado de nomes como Nelson Piquet, Niki Lauda e Ayrton Senna, na historia da Fórmula 1, também fez Hamilton entrar na chamada ‘zona de conforto’ onde o britânico parece ainda lutar contra esta zona de conforto para finalmente entrar na briga do campeonato. Visivelmente insatisfeito com as performances recentes, Hamilton em 2016 amarga todos aqueles dissabores que pairavam sobre Nico Rosberg nas duas ultimas temporadas, como quebras e falhas na sua Mercedes, algo que parecia uma exclusividade de Rosberg nos últimos dois anos, parece que este ano passou para o lado de Hamilton. Assim foi na China quando o britânico teve de largar na ultima posição por conta de uma quebra, e da mesma maneira aconteceu no ultimo final de semana na Rússia, quando teve de largar em 10º, onde Hamilton ainda acabou saindo no lucro com os incidentes na primeira volta da corrida, terminando a corrida na segunda posição. As quatro vitorias de Rosberg no inicio da temporada, mais do que nunca acendem um sinal de alerta para Hamilton se ele quiser brigar pelo tetracampeonato mundial, e assim se igualar a Sebastian Vettel, mas para isso, a primeira vitoria terá de vir a qualquer custo já no Grande Premio da Espanha. Com uma desvantagem atual de 47 pontos (100 a 53 para Nico) na tabela de pontos dá para Rosberg a vantagem de quase duas corridas para o alemão, algo que ao longo do ano, se Rosberg manter a regularidade dificultará e muito a vida de Hamilton na luta pelo titulo.

Vettel não consegue engrenar no campeonato

Mesmo com dois segundos lugares na temporada, o 2016 de Sebastian Vettel ainda está longe daquilo que ele pode dar a Ferrari. Tudo porque a regularidade do tetracampeão mundial, fato que o fez sonhar, mesmo que de forma distante do titulo mundial da temporada passada, ainda não acompanhou este ano. Com dois abandonos no ano, Vettel tem apenas a quinta posição no campeonato, em uma temporada em que a Ferrari tem a perspectiva de ser aquela equipe que pode incomodar o reinado da Mercedes ao longo do ano. Fato que ainda não aconteceu por conta dos insucessos de Vettel, e a não confiabilidade de Kimi Raikkonen até o momento, outro que ainda não engrenou na temporada.

Williams melhora, mas ainda precisa evoluir para lutar contra a Ferrari

Após um inicio de ano discreto, onde se esperava uma Williams brigando com a Ferrari até com mais força, o GP na Rússia mostrou que a escuderia inglesa evoluiu um pouco em relação as outras três corridas disputadas antes de Sochi. Mesmo se valendo da punição no grid a Vettel, que colocou Valteri Bottas na primeira fila do grid ao lado de Rosberg, o ritmo de corrida ainda na primeira parte da prova, de mostras de que a Williams pode sim apresentar uma boa evolução, principalmente no GP da Espanha, que é onde as equipes fazem seus testes. Por fim, a tradicional escuderia inglesa, a julgar pela performance em Sochi, pode vislumbrar dias ainda melhores para quem sonha em andar mais perto da Ferrari e porque não por tabela incomodar a Mercedes.

 Fernando Alonso faz seus primeiros pontos no ano com a McLaren

Depois do grave acidente no GP da Austrália, que o tirou do GP do Bahrein por recomendação medica, e retornar na China sem conseguir pontuar, Fernando Alonso, foi um dos destaques no GP da Rússia. Dentro ainda das limitações da McLaren, é fato que o carro melhorou muito em relação ao 2015 que a equipe britânica sem duvida quer apagar da memória. Com um sexto lugar em uma corrida consistente, e ainda um décimo lugar de Jenson Button, a McLaren sabe que assim como a maioria dos carros do grid atual, precisa continuar evoluindo para ser um carro consolidado pelo menos na metade do pelotão do grid, uma vez que a mesma McLaren ainda oscila muito nas sessões classificatórias.

Renault também fez seus primeiros pontos no ano

Após retornar como equipe de fábrica no circo da Fórmula 1, a Renault fez no ultimo final de semana com Kevin Magnussen, seus primeiros pontos no ano. Mesmo após largar no fundo do grid, a Renault assim como a McLaren e também a Haas, fez uma corrida de aproveitar as oportunidades para chegar na zona de pontuação, o que não significa que será um carro que estará com freqüência na zona de pontuação. Uma vez que a equipe francesa ainda apresenta um desempenho muito discreto nas sessões de treinos ao longo dos finais de semana até o momento.

Romain Grosjean pontua novamente com a Haas

A equipe novata na temporada e que segue surpreendendo com a freqüência na zona de pontuação, tendo marcado pontos em três das quatro corridas disputadas, a equipe Haas, independente do que possa a vir acontecer ao longo da temporada, já pode considerar o saldo mais do que positivo para a temporada atual, onde ninguém poderia imaginar um trabalho tão consistente para uma equipe que disputa apenas a sua quarta corrida na sua historia na Fórmula 1. Além disso, a equipe Haas, revelou um ‘novo’ Romain Grosjean para o mundo da Fórmula 1. Mais experiente, mais seguro em suas ações, Grosjean não é nem de longe aquele piloto que se envolveu em diversos incidentes ao longo da sua carreira, em especial quando guiava pela Lotus. A prova disso é que o francês foi quem somou os 22 pontos para ele e para a equipe Haas no ano.

Futuro da Sauber coloca em risco futuro de Nasr na Fórmula 1

O tópico pode parecer exagerado, mas destaca uma realidade ruim tanto para uma equipe com certa tradição no grid da Fórmula 1, e que pode ter reflexos no futuro do automobilismo brasileiro da Fórmula 1. Digo isso, porque a Sauber enfrenta em 2016, talvez um dos anos mais difíceis financeiramente de sua história dentro da categoria máxima do automobilismo mundial. Mesmo tendo sinalizado para seus patrocinadores que fará toda a temporada de Fórmula 1, o futuro da Sauber na categoria pode comprometer o futuro de Felipe Nasr dentro da F1. Com um carro ruim, e que não permite a seus dois pilotos mostrar trabalho até para ser observado por outros times, a Sauber sabe que terá que ser muito criativa para driblar seus problemas técnicos e financeiros para não ser mais uma equipe a deixar a Fórmula 1 ao final do ano.

Próximo desafio: GP da Espanha

Palco conhecido de equipes e pilotos, o traçado da Catalunha é o circuito-base para as escuderias, pois onde são realizados a maioria dos testes,em especial os testes de pré-temporada. Em uma corrida que terá 66 voltas nos 4.655km da pista espanhola, o traçado faz parte do calendário da Fórmula 1 desde 1991, onde no primeiro ano, protagonizou um belo duelo ‘roda com roda’ entre a Williams de Nigel Mansell e a McLaren de Ayrton Senna. Na ocasião, melhor para o britânico que superou o piloto brasileiro com uma bela ultrapassagem no final da reta dos boxes. Ainda sobre os brasileiros, o GP da Espanha não tem um histórico favorável para nossos pilotos, onde registra apenas uma vitoria em 2007 com Felipe Massa, guiando pela Ferrari no ano em que Massa disputou o titulo até a ultima corrida daquela temporada contra Lewis Hamilton. O Grande Premio da Espanha acontece no próximo dia 15 de maio, e largada para as 66 voltas está marcada para as 9h pelo horário de Brasília.

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *